Crianças e Adolescentes

Programas

A Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente – SNPDCA, com estrutura regimental aprovada pelo Decreto nº 4.671, de 10 de abril de 2003, surge da reorganização administrativa iniciada com a publicação da Medida Provisória N.º 103, de 1º de janeiro de 2003.

Dentre outras alterações, a medida incorporou à estrutura da Presidência da República a então Secretaria de Estado dos Direitos Humanos do Ministério da Justiça, sob a nova designação de Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH) - que passou a chamar-se Secretária de Direitos Humanos, transformando-se em órgão essencial da Presidência da República, com status de Ministério.

A nova posição na estrutura administrativa do Estado seu à SNPDCA a atribuição de assessorar o Presidente da República nas questões relativas à promoção dos direitos das crianças e adolescentes. Apesar disso, a Secretaria conserva o cerne da competência institucional do órgão que lhe deu origem - o Departamento da Criança e do Adolescente – DCA, da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos do Ministério da Justiça: promover, estimular, acompanhar e zelar pelo cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente.

DCA foi instalado em outubro de 1995 e vinculado à Secretaria de Direitos da Cidadania do Ministério da Justiça pelo Decreto nº 1.796 em 24/01/1996, tendo seu regimento interno aprovado pela Portaria Ministerial nº 495 de 06/08/1996. Em fevereiro de 1996, ele apresentou seu primeiro Plano de Ação estabelecendo, nos cenários das políticas públicas de atenção à criança e ao adolescente, as linhas gerais da Política de Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, decorrente da Política Nacional dos Direitos Humanos.

Em setembro de 1998, quando da extinção da Secretaria de Direitos da Cidadania, o DCA tornou-se subordinado à Secretaria Nacional de Direitos Humanos que, em janeiro de 1999, passou à categoria de Secretaria de Estado.

É comum associar-se a criação do DCA à extinção do Centro Brasileiro para a Infância e Adolescência – CBIA, órgão do qual seria um substituto, o que representa uma incorreção. O CBIA, vinculado ao Ministério do Bem-Estar Social, realmente foi extinto no mesmo ano da criação do DCA e os órgãos chegaram a co-existir por um breve período, ambos subordinados ao Ministério da Justiça, que se encarregou do processo de inventariança do CBIA. Porém, mais do que uma simples mudança de nomenclatura, o surgimento do DCAmarca uma redefinição do papel do Governo Federal na gestão das políticas públicas para a infância e adolescência.

Acesse nessa área informações sobre as distintas ações da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) na promoção e defesa dos Direitos Humanos de crianças e adolescentes.

Compartilhar

Desenvolvido com o CMS de código aberto Plone