Você esta aqui Página Inicial Notícias 2016 Dezembro Integrantes do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) tomam posse para mandato até 2018

2016

Dezembro

Integrantes do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) tomam posse para mandato até 2018

13/12/2016

Representações da sociedade civil e do poder público foram empossadas, na última sexta-feira (9), para compor o Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) no Biênio 2016-2018. A cerimônia de posse ocorreu em Brasília perante a então presidente do colegiado, Ivana Farina, e a Secretária Especial de Direitos Humanos, Flávia Piovesan.

Nove das 11 entidades da sociedade que agora compõem o CNDH foram eleitas no dia 10 de dezembro, em um processo eleitoral que contou com a participação de mais de 30 organizações nacionais de direitos humanos. As outras duas, o Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), têm assento permanente no CNDH. Na ocasião, representantes do poder público também foram empossados para a nova gestão do colegiado.

O representante da OAB no Conselho, Everaldo Patriota, falou sobre a importância da institucionalização do colegiado como órgão paritário, a partir da Lei n° 12.986/2014, e do processo eletivo para a escolha de representantes da sociedade civil. “Essa caminhada só foi possível porque os que fazem este Conselho quiseram, com determinação, institucionalizá-lo”, declara o conselheiro, reconduzido ao colegiado.

Ivana Farina, presidente do CNDH que encerrou o mandato na última semana, afirmou que o CNDH precisa manter sua reação de força pela prevalência dos direitos humanos diante do cenário de ajuste e das sinalizações de retrocesso. “Com a mesma força com que invadem o quadro social brasileiro, rasgando conquistas, nós temos que reagir com a força deste colegiado”, assevera Ivana Farina.

Ela lembrou o posicionamento firme do Conselho em diversas situações, como a nota que manifesta discordância da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215/00, que restringe direitos de indígenas e quilombolas em relação à demarcação de suas terras, e a nota que repudia a PEC 241 (no Senado, PEC 55), proposta que estabelece um teto para o crescimento das despesas do governo federal e congela os gastos durante 20 anos, o que afeta diretamente o financiamento da saúde e da educação no Brasil.

“O Relator da ONU para a Pobreza Extrema declarou, sobre a PEC 241 – renumerada PEC 55 – que, se essa emenda for adotada, colocará o Brasil em uma categoria única em matéria de retrocesso social. Isso é gravíssimo. Este Conselho emitiu uma nota em repúdio à PEC, então 241, e assiste, mais do que preocupado, ainda com a determinação de que esse quadro não se consolide”, expôs Ivana, alertando ainda que “a Carta cidadã está sendo alterada para retroceder” e que tratados internacionais e o princípio do não retrocesso social estão sendo violados.

Já a Secretária Especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça e Cidadania, Flávia Piovesan, relatou sua participação no processo de amadurecimento institucional do então CDDPH (Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana) e qualificou como “luta heroica” o salto do colegiado para responder aos Princípios de Paris com a Lei que assegura a sua independência, a sua autonomia e a sua paridade. “Creio que a maior contribuição que a Secretaria pode emprestar a este Conselho é, ao máximo, assegurar a sua autonomia e a sua independência. E tudo farei para isso”, reforça a secretária, que parabeniza o compromisso do CNDH com a causa dos direitos humanos e com o fortalecimento da institucionalidade democrática.

 

Organizações da sociedade civil – Biênio 2016-2018

De acordo com a Lei n° 12.986/2014, que transformou o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH) no CNDH ampliando a participação da sociedade civil, dentre as 11 representações da sociedade civil que integram o colegiado, nove são eleitas entre organizações da sociedade civil de abrangência nacional e com relevantes atividades relacionadas à defesa dos direitos humanos. Outras duas têm assento permanente: a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos estados e da União (CNPG). Abaixo, a relação das organizações eleitas no dia 10 de novembro e empossadas no último dia 9 de dezembro:

Titulares: 1) Conselho Indigenista Missionário (CIMI); 2) Plataforma de Direitos Humanos – DHESCA Brasil; 3) Central Única dos Trabalhadores (CUT); 4) Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social; 5) Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT); 6) Justiça Global; 7) Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários do Brasil – UNISOL Brasil; 8) Conselho Federal de Psicologia (CFP); 9) Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua (MNMMR)

Suplentes: 1) União Brasileira de Mulheres (UBM); 2) Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH); 3) Central de Trabalhadores do Brasil (CTB); 4) Movimento Nacional da População de Rua (MNPR); 5) Coletivo Nacional de Juventude Negra – Enegrecer; 6) Associação Nacional dos Atingidos por Barragens (ANAB); 7) Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos; 8) Associação Direitos Humanos em Rede – Conectas Direitos Humanos; 9) Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente (ANCED)

 

Representações do poder público

Ainda conforme a Lei nº 12.986/2014, integram o CNDH representando o poder público os seguintes órgãos/autoridades: 1) Secretária Especial de Direitos Humanos; 2) Procurador-Geral da República; 3) Deputado/a Federal (Maioria); 4) Deputado/a Federal (Minoria); 5) Senador/a Federal (Maioria); 6) Senador/a Federal (Minoria); 7) Entidade de Magistrado (Conselho Nacional de Justiça); 8) Ministério das Relações Exteriores; 9) Ministério da Justiça; 10) Polícia Federal; 11) Defensoria Pública da União (DPU)

 

Sobre o Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH)

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) é um órgão de Estado com composição paritária – formado por 11 representantes do poder público e 11 da sociedade civil – que existe há mais de 50 anos para promover e defender os Direitos Humanos no Brasil.

Instituído inicialmente pela Lei nº 4.319, de 16 de Março de 1964, que criou o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), ele foi transformado em Conselho Nacional dos Direitos Humanos pela Lei n° 12.986, de 2 de junho de 2014, que tornou o colegiado mais democrático, ampliando a participação da Sociedade Civil.

O CNDH é o mais antigo colegiado do país que, em seus cinquenta anos existência, realizou mais de 200 reuniões ordinárias – espaço onde o Plenário do Conselho discute e encaminha ações voltadas para a promoção e defesa dos Direitos Humanos – e formou cerca de 100 comissões especiais e subcomissões para tratar de temáticas específicas.

Essas comissões se reúnem periodicamente, realizam missões, produzem relatórios, e propõem recomendações e agendas com instituições que têm competência para solucionar as demandas apresentadas ao Conselho. Atualmente, existem as seguintes comissões permanentes em funcionamento no CNDH:

- Comissão Permanente dos Direitos da População em Situação de Rua

- Comissão Permanente dos Direitos da População em Situação de Privação de Liberdade

- Comissão Permanente de Direito à Comunicação e à Liberdade de Expressão

- Comissão Permanente Defensores de Direitos Humanos e Enfrentamento da Criminalização dos Movimentos Sociais

- Comissão Permanente Direito à Cidade

- Comissão Permanente Direito Humano à Alimentação Adequada

- Comissão Permanente de Direitos Humanos e Segurança Pública

- Comissão Permanente dos Direitos dos Povos Indígenas, dos Quilombolas, dos Povos e Comunidades Tradicionais, de Populações Afetadas por Grandes Empreendimentos e dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Envolvidos em Conflitos Fundiários

 

Mais informações:
Assessoria de Comunicação do Conselho Nacional dos Direitos Humanos

(61) 2027-3348

Compartilhar

Desenvolvido com o CMS de código aberto Plone